sábado, 12 de fevereiro de 2011





Ultimamente não tenho sentido as pernas
Nem o torço nem os braços, nem a cabeça mais pensa,
Os olhos só fazem chorar, desespero talvez!
Pois o que procuro é alguém pra dizer, "Eu desisti"
Mais não há ninguém, só vejo esperanças em cima
De mim, medo talvez?! Não sei mais me sufoca
Fazer para os outros e não pra mim, sentir pelos
Outros e não pra mim, seria fraqueza da minha parte
Parar e seguir sem nada, seria morrer aos pés de quem quer
Me Ajudar, ocultar que ajuda me aparece, mais não há quero.
O que quero é ser eu, e não os outros.
Não vou morrer por aqui se parar, vou seguir o que quero seguir
Mais por enquanto serei você, e farei tudo como quer até pelo menos
Meu medo sumir, se sumir algum dia.

2 comentários:

Arnoldo Pimentel disse...

O medo precisa ser vencido para seguirmos nosso próprio caminho.
Tem selos de presente pra você no meu blog.

http://ventosnaprimavera.blogspot.com

Rodrigo 2009 disse...

não duvide do poder da bondade, embora pareça que tudo está contra você a bondade praticada em todos os momentos é uma semente que nos garantirá colheitas de felicidade e paz