domingo, 26 de junho de 2011

वहाँ दिन जब मैं सब कुछ भूल जाना चाहता हूँ रहे हैं

Tem dia que quero me esquecer de tudo
Tudo que vivi, que presenciei as palavras ditas
os sorrisos aleatórios as boas risadas os amores
que não pude viver as palavras ouvidas que
nunca tomo direção os toques os arrepios
os olhares de quem ama mais nunca toma direção.
Estou desacreditada de tudo
Do amor da amizade da gentileza .
Tem dia que a depressão chega e me arranca do nada,
tira como se fosse pra matar e as lembranças
vão passando e eu sempre me pergunto
porque não fui isso? porque deixei de
aproveitar certas coisas, e mais errei
do que acertei , mais não tenho
as belas respostas, quis viver o amor
mais me entreguei e esqueci de mim.
hoje pago a cada coisa que lhe fiz.
Sozinha(...)

4 comentários:

Arnoldo Pimentel disse...

Lindo e triste poema, mas nunca devemos desisitr de nós mesmos.Beijos

Álvaro Lins disse...

Lindo, mas reflecte aquilo que não deve ser a vida!
Desistir, nunca!
Bjo

António Gallobar disse...

Um bom principio para mudar o estilo de vida, é compreender onde erramos e porque erramos. Por vezes o amor, leva o comum dos mortais a fazer coisas que são impensaveis. É preciso ter calma

Arrisco a mandar um beijo para esta cara tão tristinha

Chris disse...

Obrigado Antonio Gallobar, adorei tuas palavras, queria mesmo mudar, ser outra mais por enquanto quero só meu silencio.

Sinta-se avontade a porta estará sempre aberta.
Bjus